cinema

cinema no pátio: corpo e alma, de ildikó enyedi

cinema no pátio

29 Ago

Quinta

21:30

gratuito

pátio exterior

CORPO E ALMA
Ildikó Enyedi / Hungria / 2017 / Drama / 116’ / M/16

Um matadouro em Budapeste é o cenário de uma bonita e estranha história de amor. Os rumores começam assim que Mária começa a trabalhar na área de controlo de qualidade. Ao almoço, a jovem mulher almoça sempre sozinha. O seu chefe Endre, um pouco mais velho, também é reservado. Descobrem, por mero acaso, que partilham o mesmo sonho todas as noites. Ficam confusos, incrédulos e um pouco assustados. Aceitando, de forma hesitante, esta estranha coincidência, tentam recriar à luz do dia aquilo que acontece no seu sonho.

 

CINEMA NO PÁTIO
O cinema, como síntese de todas as artes, consegue representar o irrepresentável.

E consegue-o aproximando-se de uma ilusão de realidade assente na mais bela das mentiras: o cinema ele mesmo, como desvelamento de aparições, como aparência das coisas estarem e acontecerem lá, neste lá mesmo à nossa frente. Pelo cinema  conseguimos ver o que não vemos no mundo de cá. Inegável paradoxo? Talvez, mas apenas se não o considerarmos em termos cinematográficos: é que pelo cinema estamos sempre mais próximos do impossível. A proposta destas sessões anda à volta de algumas invisibilidades que o cinema, precisamente, dá a ver (não só mas também): a morte em O Sétimo Selo, (Bergman, 1957), os anjos em As Asas do Desejo(Wenders, 1987), o outro eu em A Dupla Vidade Véronique(Kieslowski, 1991) e os sonhos, em Corpo e Alma(Enyedi, 2017). – por Eduardo Brito

O ciclo Cinema no Pátio 2019 é programado por Eduardo Brito.

Eduardo Brito trabalha em cinema, fotografia e escrita. Tem mestrado em Estudos Artísticos, Museológicos e Curadoriais pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Na FBAUP é assistente convidado e investigador no I2ADS. Foi coordenador do projeto de arquivo, curadoria e edição de espólios fotográficos do Reimaginar Guimarães, desenvolvido na Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.

Cinema, as a synthesis of all arts, is able to represent the irrepresentable. This series of films explore some of the invisibilities that cinema allows us to see: death in ‘The Seventh Seal’ (Bergman, 1957), angels in ‘Wings of Desire’ (Wenders, 1987), the other self in ‘The Double life of Véronique’ (Kieslowski, 1991) and the dreams, in ‘On Body and Soul’ (Enyedi, 2017).

Created using Figma