Julho é de Jazz
Pelo terceiro ano consecutivo, o jazz volta ao pátio exterior do gnration. Em julho, o gnration volta a apresentar o ciclo Julho é de Jazz, um programa de música que apresenta alguns dos nomes mais singulares do jazz contemporâneo nacional e internacional.

7 julho

Evan Parker
Evan Parker nasceu em Bristol e comeou a tocar saxofone aos 14 anos de idade. Tendo a improvisao livre como a sua rea de maior atividade nas ltimas trs décadas, Parker encontrou ainda tempo para se dedicar a perseguir outros universos musicais. Noutros contextos, tocou com nomes como Annette Peacock, Scott Walker e a big band de Charlie Watts. Face tamanha intensidade e qualidade do seu trabalho, a solo ou em colaboraes, Parker levou a que uma vasta imprensa de referncia o distinguissem com mérito. Um dos melhores instrumentalistas vivos refere o The Times, enquanto que o Chicago Reader o coloca como um dos melhores improvisadores em emsemble. J a conceituada revista especializada em msica The Wire atribuiu a Parker a melhor e mais original voz representativa da msica da era moderna.

Slow Is Possible
Slow Is Possible so seis jovens msicos portugueses que no nasceram no meio jazz: a sua formao é clssica. Talvez esta mesma formao dite a invulgar instrumentao que o sexteto apresenta. So dois os instrumentos meldicos, um saxofone alto e um violoncelo. A seco rtmica compreende dois instrumentos harmnicos, guitarra (também com funes de introduo de rudo elétrico) e piano, associados aos jazzisticamente convencionais contrabaixo e bateria. Slow is Possible é a msica de cmara que toca quem ouviu Charles Mingus, John Coltrane, Mr. Bungle e Keiji Haino e resulta to bom quanto o melhor que se poderia desejar.

André Pontfice - violoncelo
Bruno Figueira - saxofone alto
Duarte Fonseca - bateria
Joo Clemente - guitarra
Nuno Santos Dias - piano
Ricardo Sousa - contra Baixo

14 julho

Get The Blessing
Oriundos de Bristol, Inglaterra, os Get The Blessing formaram-se em 2000 e desde então têm vindo a construir uma base de fãs irrepreensível que os seguem pelo seu carácter musical único. Apesar de várias pausas para dedicar tempo a outros projetos paralelos a mais recente com o baterista Clive Deamer a embarcar em tour com Radiohead o grupo manteve-se intacto ao longo de dezassete anos, apresentado ainda hoje a sua formação original. Clive Deamer, na bateria, e Jim Barr, no baixo, que integram também os Portishead como músicos de sessão, juntam-se a Jake McMurchie, no saxofone e eletrónica, e Pete Judge, no trompete e eletrónica, para produzir música inteligente e criativa, em balanço com talento e paixão, testemunhando o espírito livre que se encarregam de incorporar. 

Jake McMurchie - saxofone e eletrnica
Pete Judge - trompete e eletrnica
Clive Deamer - bateria 
Jim Barr - baixo

Susana Santos Silva
Susana Santos Silva é já um nome de referência do jazz contemporâneo e música improvisada dentro e fora de Portugal. Trompetista, improvisadora e compositora, Susana Santos Silva reúne em Impermanence, projeto que apresentará no gnration, João Pedro Brandão, Hugo Raro e Marcos Cavaleiro, músicos do Porto e seus colaboradores de longa data, todos parte da Associação Porta-Jazz, Torbjörn Zetterberg, contrabaixista sueco com quem tem trabalhado assiduamente nos últimos dois anos, particularmente no seu projeto em duo. 

Susana Santos Silva - trompete, flugel 
João Pedro Brandão - saxofone alto, flauta 
Hugo Raro - piano
Demian Cabaud - contrabaixo 
Marcos Cavaleiro - bateria

bilhetes
geral após 17 junho 9 euros
diário 5 euros
workshop c/ Evan Parker 10 euros


7+14 JUL | 22:00 | 5 INDIVIDUAL / 9 GERAL | PÁTIO EXTERIOR
Bookmark and Share